terça-feira, 31 de dezembro de 2013

2014! Novo Ciclo!

Abençoados Sejam! Chega enfim o ultimo dia do calendário solar de 2013! Ultimo dia do ano 18 (arcano da lua no taro). Foi um ano difícil e complicado mas o importante foi o aprendizado que apreendi. Saturno me ensinou que colhi o que plantei e que a terra precisa ser revolvida e limpa para se lançar novas sementes. Com isso apesar de uma parte do processo ser bem dolorido não posso deixar de dizer que foi recompensador. Vermes e parasitas sempre vão existir e nas arvores boas eles estão lá presentes, o importante é ficar atento para não atingir um fruto: um fruto podre pode por a perder toda a colheita. Orai e vigiai sempre. Um ano que aprendi muito sobre amar com meus animais, que quando você esta muito triste, com dúvidas, sem rumo, nada melhor que alguém estar do seu lado em silêncio te olhando, e com olhar dizer tudo e que nunca seria possível se traduzir em palavras. Que amar é aceitar o outro como é, sem tentar modificar, mas crescendo junto e se mudar a decisão parte de você e não do outro. Tive as bênçãos dos Arcanjos, Seu, Osun, de Obatalá, fui acolhida, abraçada, abençoada e com isso dou ainda mais valor a minha ancestralidade a peço bênçãos todos os dias as pessoas que eles colocaram no meu caminho e me auxiliaram de forma direta e indireta a atravessar essa noite escura. A lua me revelou amigos e inimigos, me revelou a importância de superar em primeiro lugar a mim mesma. O restante vem com o tempo. Aprendi a me respeitar mais. Agradeço de coração aos alunos e iniciados que foram incansáveis nas mudanças físicas e espirituais que ocorrem. Que esse Novo Ciclo seja de prosperidade e lealdade. Que todos que torceram e riam comigo sejam abençoados. Que meus pés possam ser firmes, minha alma livre, e meu coração seja guiado por meus ancestrais e eu possa ter sabedoria para ajudar aqueles que me procuram. Fiquem na Luz!

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Primeiro Ciclo do Instituto Cris Gimenez

“... E eu dei ordem aos Anjos para que te guardassem no seu caminho.” Esse pentagrama que se formou no fogo no meio do caldeirão, simboliza a magia e a dedicação a um sonho. A exatamente um ano era inaugurado o Instituto Cris Gimenez. Muita coisa mudou de lá pra cá, inclusive o endereço. Tenho muito que louvar e agradecer porque foram dias de batalhas e lutas onde muitas transformações internas e externas ocorreram. Do sonho a realidade hoje estamos aqui com um ano de vida e com a Ordem Iniciática dos Anjos Senhores da Luz já com seus primeiros passos. Pessoas simples e importantes passaram por aqui deixando parte de si e levando um pouco daqui. Mesmo as que se desviaram d ideal inicial são ecas muito importantes, pois sem elas tudo o que tem hoje não estaria aqui. Quero deixar meu muito obrigado a cada um. Nesse ano 18 onde tantas coisas negras aconteceram tive tambem surpresas agradáveis, conheci pessoas que hoje estão se tornando cada dia mais especiais em minha vida, reaprendi a ver e a viver o orisa. Orumilá, Osun, Esu, Obatalá tem me proporcionado momento de aprendizados profundos que eu tenho certeza que se não tivesse seguindo aquilo que meu coração mais deseja não estaria sendo digna das graças que venho recebendo dia a dia. Que se eu não fosse sincera com os Arcanjos eu não teria sobrevivido as tempestades, mas estamos ai buscando cada dia mais aprender com os mais velhos e com os mais novos e a vivenciar as dádivas que nos são apresentadas. Agradeço e peço a minha ancestralidade e aos Arcanjos que abençoem os que me ajudaram nessa caminhada que foram muitos, alguns passageiros outros que estão ai até hoje. Hoje um ciclo se conclui e outro se inicia e que essa Ancestralidade e os Arcanjos me dêem sabedoria e discernimento para dar caminho aquele que bate na minha porta. Que todos nós sejamos abençoados e prósperos em todos os pontos de vista.

O Abraço da Rainha!

“É do ouro de oxum que é feita a armadura que guarda meu corpo, Garante meu sangue, minha garganta. O veneno do mal não acha passagem” Tem momento em nossa vida que são intensos em aprendizado. Aprendemos a ver o outro, a aceitar sua alma complexa e completa, a mergulhar em uma alma humana cheia de desejos de se reeguer. Aprendi muito nesse fim de semana com meus alunos e parceiros. Me considero uma pessoa abençoada, porque ao longo do meu caminho cheio de altos e baixos côo de qualquer pessoa tenho a sorte de conhecer pessoas que tem coragem de olhar nos olhos e dizer o que pensa... Tenho a benção de poder adentrar em mistérios e apreender cada dia mais apesar de as vezes não entender. Mas se Osun e Obatala assim me permite, sei que minha alma entende de alguma forma. Tenho que agradecer porque consigo ter a dádiva de encontrar pessoas que estendem a mão a mim e aos meus. Sempre determino que Orumila abençoe imensamente a vida e o coração desses seres benditos para que tudo de bom se multiplique na vida dessas pessoas.. Hoje fiquei repensando vários acontecimentos nesses ano turbulento e revelador, que me trouxe pessoas maravilhosas e outras nem um pouco agradáveis, mas que agora, a poucos dias de terminar o ano, fui aos pés de minha mãe e desejei ardentemente que ela fosse onde meu coração estava naquele momento e abençoasse quem me trouxe a alegria nesses dias e tantos ensinamentos e risos,,. Pedi que Obatalá fosse lá e colocasse em seu Ori ainda mais saber e a conquista e equilíbrio que tanto busca. E eu lá... Dançando para Osun e repassando meus desejos e quando dei por mim ela estava na minha frente... Me abraçando e me dando seu ase. Não tem maior graça do que ser abraçada pela mãe quando seu coração transborda de agradecimento por coisas simples e extremamente profundas... Hoje não poderia me deitar sem agradecer e sem reiterar meu desejo de prosperidade e luz para aqueles que caminham do meu lado de coração sincero. Que esse abraço que recebi se estenda a todos que estiveram comigo. Ase ! Benção aos meus mais velhos e mais novos!

terça-feira, 19 de novembro de 2013

A chuva e Eu

VAbençoados Sejam Mais uma lição aprendida nas minhas andanças... Indo até uma casa de asé buscar uma roupa que foi esquecida, sai de casa com uma leve garoa e enquanto fui a caminho do meu destino a chuva foi engrossando e engrossando até o ponto que eu mal enxergava o que estava a minha frente, era tão difícil ver que fui obrigada a diminuir a velocidade e ir no mínimo com os piscas alertas ligados. Em determinado momento me bateu o desespero porque não tinha como parar o carro e ir adiante parecia loucura: a pista cheia de espelhos d água, carros em marcha lenta, chuva que o limpador de para brisa não dava conta. Foi ai que me dei conta da vida em tempestade... Quando estamos em nossas tempestades emocionais e acabamos quase nos afogando em nós mesmos, nos debatendo e mesmo não enxergando nada não nos resta outra opção senão seguir adiante. Nesse instante é preciso diminuir o ritmo, prestar atenção nos passos dados e ter os sentidos aguçados para tudo o que esta a nossa volta, de forma que possamos não perder a vontade de viver e nem de ir adiante. É difícil encarar as separações e as distancias que o dia a dia vai nos colocando. Nossas tempestades internas são imensas e nem sempre quem esta a nossa volta tem o poder de enxergar isso. Devemos ficar mais atentos nossas palavras e atos matam dia a dia nosso amigo, nosso irmão, nós mesmos. As favelas da alma vão se acumulando e de repente uma tempestade repentina pode por tudo o que temos a perder, porque esquecemos de criar laços e olhar para o lado. No entanto a chuva grossa nos obriga a diminuir o ritmo e nos ensina que a natureza tem o seu próprio ritmo e que respeitar isso é determinante para não se perder no caminho. Dessa forma em momentos de grande turbulência o que nos resta é desacelerar e olhar par dentro de nós mesmos, refletir os erros e acertos e os novos rumos que se pode tomar. Tendo em mente que só temos a opção de dar um passo de cada vez e seguir adiante, estar atento às oportunidades e não desprezar uma mão estendida. A água nos ensina a contornar os obstáculos e a não discutir com eles, pois isso pode ser fatal quando a chuva é forte. Contendo a vida e a morte, optar por um dos lados é uma questão de compreender que vida e a natureza tem um ciclo sábio que nos leva a adquirir sabedoria e força para continuar caminhando rumo a uma evolução que quando dada a partida não tem fim. Cris Gimenez